Image Slider

TAG | DE TUDO UM POUCO

| On

Fiquei muito contente quando a querida Ingrid do 16 Primaveras me nomeou para responder a esta tag, a minha primeira desde que criei o blog! Desde já, obrigada Ingrid! :D 

Regras da Tag:

Responder a todas as perguntas;
Indicar no mínimo 11 blogs com menos de 500 seguidores;
Colocar o selo da Tag;
Colocar o link de quem indicou.

Como o nome indica, "De Tudo Um Pouco", é uma tag muito interessante para ficarmos a conhecer um pouco mais sobre a verdadeira personalidade das bloggers. E a minha vez chegou! Aqui vamos nós!

1 - Qual é o teu estilo preferido de música? 
Tenho vários estilos de música preferidos; vou variando consoante o meu estado de espírito. Gosto muito de Metal e Hard Rock. Gosto também de música clássica (nomeadamente Tchaikovsky). Uma das minhas bandas preferidas, uma fusão dos estilos anteriores, são os Apocalyptica. Mas não me fico por aqui… Poucas pessoas sabem mas eu gosto muito de… sertanejo! Lucas Lucco, Munhoz e Mariano, Gustavo Lima, Michel Teló, you name it!

2 - Qual é a tua peça de roupa preferida?
Gosto muito de vestidos e de calças skinny.

3 - Qual é o teu calçado favorito?
Tenho uma perdição por botas e botins. Mas também gosto bastante de ténis!

4 - Camisa ou camisola? Calças ou calções?
Camisola! Calças para o inverno e calções para o verão, pois claro!

5 - Cabelo estiloso ou tradicional? Liso ou encaracolado?
Nem eu sei bem responder. Umas vezes só me apetece pintar o cabelo de cinzento ou preto, fazer um ombré rosa… Outros dias só tenho vontade de agradecer a Deus pelo meu cabelo. Se mudar não fosse tão definitivo, estava constantemente a fazê-lo. Prefiro cabelo liso ou ondulado.

6 - Brigadeiro ou gelado?
Gelado de morango. Gelado de chocolate. Gelado de caramelo. Gelado de Nutella. Gelado de Snickers… (baba)

7 - Doce ou salgado?
Salgados! 

8 - Como defines o teu estilo?
Gosto de estar a par das novidades mas não sou aquele género de pessoa que segue todas as tendências. Prefiro vestir aquilo que realmente me assenta bem mas tenho de estar sempre confortável. Acho que tenho uma fusão de estilos. Uns dias apetece-me estar mais feminina, outros mais dark… 

9 - És do tipo de pessoa que consome bastante ou só compra o básico?
Não compro só o básico ou não fosse eu uma mulher! No entanto, também não sou consumista por natureza. Quando preciso de alguma peça de roupa específica, compro. Quando não preciso mas vejo algo que gosto especialmente (e estou bem de finanças), aí também compro!

10 - Consideras-te vaidosa?
Sim, sou vaidosa. Não vaidosa no significado da palavra relacionado com “excessiva confiança” ou “valorização de coisas fúteis”, mas vaidosa no sentido de me sentir bonita, confiante e bem comigo mesma.

E assim terminamos! Acho que já têm uma ideia melhor de quem é a Rita por detrás do blog!

As minhas nomeações:

Beijinhos,

NATAL | MY CHRISTMAS WISHLIST

| On

Trago-vos a minha wishlist para este Natal. Não espero receber tudo mas já ficava satisfeita com uma coisinha ou outra. :D

Estou a precisar de um casaco de Inverno. Saio muito cedo de casa mas também tarde do estágio e, sendo que apanho os picos mais frios do dia, um casaco quentinho preto, para conseguir conjugar com tudo, vinha mesmo a calhar. Adoro este da La Redoute porque tem o detalhe do capuz. Gostam?
Umas calças em pele sintética fazem também parte da minha wishlist de Natal. No entanto, até agora ainda não encontrei as perfeitas: ou são demasiado justas ou demasiado largas. Ainda na onda da moda, gostava muito de receber umas botas pretas substitutas para as minhas antigas. Estas da H&M são muito giras e parecem-me bastantes confortáveis por não serem muito altas.
Quem é que não gosta das malas da Michael Kors? Eu gosto especialmente deste modelo e desta cor. E gostam do anel da Pandora? A pedra não é linda?
Apesar das críticas pouco simpáticas à mais recente edição do jogo dos Sims, eu, como mega fã, fico sempre com o bichinho. Agora que terminei o mestrado e já tenho mais tempo livre, quem sabe… :P Por falar em tempo de lazer, o Silmarillion de Tolkien também podia vir morar cá para casa.
Já há muito tempo que quero comprar um shampoo seco da Batiste e o batom da MAC, creme in your coffee (uma cor muito suave mas muito bonita). O pó compacto da Chanel, do qual tenho ouvido maravilhas, vem compor o trio de beleza que gostava de receber.

O que acharam da minha lista? Alguma das minhas escolhas coincide com as vossas? :D

Feliz Natal para todas, meninas!

Beijinhos,

MESTRADO | DEFESA - DICAS

| On

Este post justifica a minha ausência nos últimos tempos. É mais pessoal e pensei se deveria ou não fazê-lo mas achei que poderia ajudar alguém prestes a passar por esta etapa.
Na semana passada, depois de dois anos de muito trabalho, defendi (finalmente) a minha tese de mestrado. É comum recearmos o incógnito e diabolizarmos estes momentos-chave que nos parecem tão inóspitos. Eu tremia só de pensar no dia da defesa. Mas digo-vos, sinceramente, agora que passou e que sei verdadeiramente do que se trata, foi muito mais simples do que alguma vez supus.

Demorei algum tempo a escrever este post porque queria que não faltasse nada. Preparei então algumas dicas para quem poderá estar próximo deste momento ou para quem simplesmente tem curiosidade sobre o assunto. Shall we begin? Por onde começar?


#1 Antes de se lançarem neste desafio que é a elaboração da apresentação da tese/projeto/relatório de estágio, certifiquem-se do tempo disponível para a exposição, dos materiais que podem utilizar… Este é um bom ponto de partida.

#2 Conheçam todas as vossas alternativas. Por exemplo, no meu caso, uma vez que só tinha 15 minutos para apresentar, segui o conselho do meu orientador e fiz uso do PowerPoint sem utilizar grandes efeitos (para economizar tempo), apostando mais no grafismo. No entanto, se o vosso período para apresentar for mais extenso, saibam que existem outras alternativas muito dinâmicas e interessantes, como é o caso do Prezi. Todavia, é importante referir que este último (na versão base/grátis) requer ligação à Internet, o que pode ser um risco. Nestas situações prefiro sempre jogar pelo seguro. Atenção também que convém que o resultado final da apresentação seja bastante sóbrio, sem animações demasiado efusivas.

#3 Arranjem um bom fio condutor. A vossa apresentação deve ser o mais fluída possível, quase como se estivessem a contar uma história que devem conhecer “de trás para a frente”. Encontrem ainda interligações entre slides e temas para que não se criem aquelas pausas e silêncios constrangedores ao longo da exposição. Percebi que existem dois pontos marcantes: o início e o fim. O início deve ser forte e sair bastante fluído já que marca o compasso e as primeiras impressões que vão influenciar até ao fim da apresentação. O final é aquilo que verdadeiramente fica, por isso deve ser arrebatador. Apostem tudo na conclusão.

#4 O vosso suporte da apresentação não deve ter muito texto. É essencial que se sustentem as afirmações mas é também importante que economizem na mancha de texto para não cansar. Afinal de contas, o júri deve olhar mais para vocês e não para o que está projetado. Tornem-se na estrela da vossa apresentação; tem muito mais valor. #adartudo.


#5 A apresentação deve estar terminada, mais ou menos, duas semanas antes. Desta forma podem apresentar para o vosso orientador, o qual vos pode dar dicas importantes no sentido de melhorar. Assim, ficam ainda com algum tempo para adaptar e melhorar a exposição mas também para se adaptarem a ela e às novas alterações.

#6 Procurem ainda que aquele encontro seja realizado na sala em que vão defender o vosso trabalho de modo a ficarem mais ambientadas ao lugar mas também para saberem se o projetor é compatível com o vosso computador.

#7 Conheçam verdadeiramente o vosso trabalho e estejam preparadas para justificar cada tomada de decisão e frase do mesmo. Este ponto não é muito difícil porque não há ninguém mais dentro daquele trabalho do que nós próprias. Neste contexto, outros pontos importantes são: NÃO LEIAM nem levem pergaminhos com o que devem dizer. Podem ter pequenos “auxiliares de memória” com tópicos (que servem para isso mesmo, auxiliar) mas devem ter na “ponta da língua” a vossa exposição. Além disso, as folhas são uma distração já que se torna muito importante que se estabeleça contacto visual com os membros da mesa do júri.

#8 A grande dificuldade que encontrei no planeamento da minha defesa foi condensar 190 páginas em 15 (míseros) minutos. Para ultrapassar este obstáculo, nos dias antes, treinei e treinei (e treinei) sozinha com um cronómetro para não exceder o tempo permitido. Consegui. Na noite antes do derradeiro dia, sentei os meus pais, o meu irmão e o meu cão no sofá, liguei o computador à televisão e apresentei para eles várias vezes até me sentir completamente confiante para o dia seguinte. Além disso, foram bastante críticos comigo e deram-me boas dicas.

#9 No final da exposição, o júri tem sempre questões a colocar. Existem duas formas de fazê-las que variam muito de universidade para universidade ou mesmo entre membros do júri: as questões são feitas todas de uma vez só e nós vamos escrevendo para logo a seguir responde-las ou, pelo contrário, as questões fazem-se em género de conversa, uma questão e a sua resposta. Em todo o caso, levem sempre convosco papel e caneta.


#10 NO DIA: vão muito mais cedo do que o normal porque todo o cuidado é pouco e chegar atrasada à própria defesa dá uma péssima imagem. Eu fui mais de duas horas antes da hora marcada para me acalmar, para ver se estava tudo bem com a sala e para montar tudo o que seria necessário.
Sobre a indumentária, não é preciso irem de fato mas também não levem os mesmos ténis de sempre. Eu defendo que deve haver um equilíbrio. Eu vesti uma saia lápis com padrão preto e branco, uma camisola e um casaco pretos e umas botas curtas pretas. Com preto nunca me comprometo. E assim foi. 
Vão confiantes convosco próprias e com o vosso trabalho mas nunca se esqueçam que a humildade (em forma e conteúdo) é fundamental.


E aqui vos deixo algumas das dicas que considero mais importantes. Espero que sejam úteis e que possam ajudar alguém no futuro. 
Este foi um dos dias mais importantes da minha vida porque marcou o fim de uma etapa (vida académica) e o início definitivo de uma outra (vida laboral). 
No final do dia, senti-me orgulhosa de mim mesma. (deixo-vos uma das únicas fotografias que tirei no dia... não gozem).



Beijinhos,

Disney #1 Disney Hunks

| On

Sou fã assumidíssima da Disney. Como tal, esta será a primeira das rubricas que dedico a esta fábrica de sonhos e fantasia. Teremos ocasionalmente vários temas desenvolvidos mas penso que começamos bastante bem.
Na minha opinião, as gerações que cresceram a ver os filmes animados de Walt Disney já não se revêm a 100% no rumo que os estúdios adotaram. Hannah Montana, Violetta, Os Descendentes são produções que pouco ou nada me dizem. Os antigos filmes animados que ergueram o período áureo da Disney revelam um tipo de humanidade que dificilmente se vêm nos seus mais recentes filmes e séries. Não quero menosprezar produções como Brave, Frozen, Força Ralph! mas eu acho que a verdadeira magia ficou lá atrás.

Atrás de uma grande princesa está um grande príncipe

Que se chegue à frente quem nunca desejou ser uma princesa porque o príncipe fazia parte da equação. Sem um único cabelo fora do sítio, corpos esculpidos, peles impecáveis, um estilo ousado… Os príncipes fazem suspirar qualquer uma, das mais pequenas às maiores. E eu não sou exceção. Conto-vos então o meu ranking:

  • #1 Monstro (A Bela e o Monstro) - indícios sugerem que se chama Adam



O príncipe do meu filme preferido da Disney. É meio desajeitado, temperamental, teimoso e brusco. No entanto, ao mesmo tempo, revela-se inseguro e desespera por amor. Gosto do facto de ser mostrar grosseiro e bruto mas de, aos poucos, se ir abrindo apenas para a Belle. Depois da transformação, quando se mostra sob a forma humana, revela-nos o típico príncipe das histórias de encantar: loiro, olhos claros, alto, forte, cabelo comprido… (gosto de homens com cabelo comprido, sim) E digam-me lá se não fica sexy com a camisa branca aberta e toda rasgada? Acho que se juntássemos barba ia ser “a” combinação perfeita.

  • #2 Hércules (Hércules)


Não é propriamente um Einstein mas tem um grande coração. O que lhe falta em cérebro ganha em compaixão e bondade. Na adolescência, devido à sua força fora do comum, é estigmatizado pelos outros rapazes que o tratam como se fosse uma aberração, dando-lhe um ar de ainda mais “coitadinho fofinho”. Mesmo depois de se tornar no fenómeno Zero to Hero, Hércules mantem a natureza doce, inocente e ingénua que o caracterizam. Ahh, e tem um físico de Deus grego!

  • #3 Li Shang (Mulan)


Mestre de artes marciais e líder do exército chinês pode proteger-nos em qualquer situação. Como tal, além de giro, tem um físico invejável. O oposto do príncipe anterior, é um guerreiro reservado com tendência para colocar os sentimentos em segundo plano. Mas isso faz parte da sua magia.

  • #4 Jim Hawkins (Planeta do Tesouro)

Apesar de não constar exatamente no catálogo de príncipes da Disney, não podia deixar de o incluir porque tem muito charme (apesar de não haver consenso universal neste ponto). Jim Hawkins, o grande visionário do undercut, é o típico bad boy. Sempre gostei dele porque para mim ele era aventureiro, corajoso, um pouco rude…. Daqueles tough on the outside but sweet on the inside que nos fazem querer descobrir mais sobre eles.

Passo-vos a batata quente! Qual é o príncipe que mais vos faz suspirar? E porquê?

Beijinhos

REVIEW | GO TO PRODUCTS | KETOPAN

| On

Hoje venho falar-vos de um dos meus segredos mais bem guardados. Com este post deixa de ser segredo mas vocês, as minhas poucas (mas boas) leitoras, merecem :)


Não devem conhecer o Ketopan porque eu própria o conheci numa situação pouco comum. Passo a contar-vos… O meu irmão está agora a atravessar a fase da puberdade (não tem praticamente acne mas aparece sempre uma borbulhinha ou outra) e o dermatologista recomendou-lhe este produto para higiene do rosto. Experimentei-o na minha rotina de limpeza uma, duas, três vezes… Achei-o tão bom que pedi à minha mãe para comprar um também para mim.


O Ketopan é em espuma e é magnífico para a limpeza do rosto. É muito leve, fresquinho, tem um cheirinho muito suave e não é nada agressivo. Eu tenho a pele reativa e quando o uso é quase como se passasse apenas água. Mas não se fica por aqui porque este é um produto três em um! Além da higiene, este controla e previne estado seborreicos. Citando o próprio, “associa propriedades anti-seborreicas a propriedade reestruturantes e calmantes das peles sensíveis”. Numa primeira fase, deve usar-se durante três dias consecutivos nas zonas afetadas. A partir daí, deve utilizar-se três vezes alternadas durante a semana. E é assim que o aproveito. Durante estes três dias, depois de usar o meu desmaquilhante pela face, utilizo o Ketopan para retirar quaisquer resíduos que persistem e para que me sinta completamente limpa e fresca. Para terminar aplico o meu creme hidratante de rosto e fico "de cara lavada". 

Este doseador é impecável porque extrai exatamente a quantidade necessária. Nem mais, nem menos.


Como se utiliza? Refresquem a cara com água fria. Espalhem a espuma Ketopan em pequenos círculos pela face e deixem atuar durante dois minutos. Para terminar, basta enxaguarem com água fria. Et voilá! Carinha como nova!

O Ketopan só se vende em farmácias, não é necessária receita médica e o preço ronda os 17€. Definitivamente, é daqueles produtos que não dispenso!

Ficaram curiosas?


Beijinhos,


REVIEW | BENEFIT PRODUCTS

| On

Hoje venho falar-vos da minha experiência com os produtos da marca californiana de produtos de beleza, Benefit Cosmetics. Gosto muito do conceito e da imagem mas, na prática, não funciona comigo completamente. Como já usei três produtos, acho que posso dizer que tenho uma opinião bem formada acerca da mesma.
Este post pode até ser um sacrilégio para as gurus de beleza, e eu até admito que não tenho a maior das aptidões para a maquilhagem, mas a verdade é que a Benefit não foi feita para mim. Sei que há muitas benefetianas mas por favor não me matem.

Vamos lá agora ver caso a caso:
#1 – Pó Compacto Hello Flawless na cor Me Vain Champagne (35€) – Comprei este pó numa festa de aniversário na loja da Benefit (podem ler o post aqui). Ele é fofinho e até vem com um espelho, uma esponjinha e um pincel; tem também uma cobertura boa e dá um efeito natural mas a duração deixa muito a desejar. A minha questão é que, tendo em ponderação o preço, não a considero muito superior ao pó compacto da Essence, All about Matt! que é dez vezes mais barato (literalmente, apenas 3,49€). Sendo um produto que oferece apenas 7 gramas por 35€, seria de esperar que a qualidade fosse extraordinária… Mas passadas simplesmente três horas, já se começa a denotar algum brilho na zona T. Eu tenho a pele algo oleosa mas, ainda assim, seria espectável que a durabilidade fosse superior. Além disso, esfarela um bocadinho o que faz com que se gaste ainda mais depressa. 





#2 – Eyeliner They're real! (25€) – O eyeliner e o rímel They're real! foram-me oferecidos por uma amiga há mais ou menos um ano. Na altura, ela tinha comprado um duo para ela e outro para mim. Nenhuma de nós gostou. End of story. Nah, estou a brincar, vamos lá ao resto! Se há coisa que vejo glorificarem neste eyeliner é a facilidade de aplicação, mas para mim não há coisa mais difícil. 


O ponto mais positivo é que é BASTANTE pigmentado. No entanto, se leram anteriormente, muita pigmentação + má aplicação, o que é que dá? DING! DING! DING! DING! Acertaram!! 


#3 Mascara They're real! (26,5€) – Acho que tenho padrões de beleza diferentes dos da marca já que eu uso somente o básico, aquela no makeup makeup, tudo muito natural. Por isso é que não fazemos o click. Na minha opinião, este rímel dá um ar muito artificial às pestanas. Alonga-as demais e fá-las ficar muito fininhas. Além disso, costumava deixar bocadinhos de rímel ao longo das pestanas e isso é a coisa que eu mais abomino nos rímeis. Eu gosto daqueles que que preenchem as pestanas e as deixam curvadas e longas, tudo dentro da simplicidade e naturalidade. Pu-lo logo de lado e nunca mais o usei.


Com base nestes três produtos, acho que a Benefit é uma marca em que a qualidade-preço não satisfaz. Isto não significa que a coloque completamente de lado, até porque há mais dois artigos que gostava de experimentar antes de desistir por completo (o The Porefessional e Base Some Kind of Gorgeous), mas, até ao momento, ainda não me convenceu.

E vocês? Qual a vossa opinião sobre a Benefit?

Beijinhos! 

TRIP AND TRAVEL | HARRY POTTER STUDIOS

| On

O ano passado eu e o meu namorado fomos a Londres. Não era a primeira vez para ambos já que esta é a nossa cidade de eleição por isso marcámos esta viagem com o intuito de ver aquilo que tinha ficado por conhecer nas outras ocasiões, evitando aqueles lugares mais turísticos da capital que já havíamos visitados (London Eye, Bristish Museum, Madame Tussauds, etc.). Mas uma coisa era certa, íamos visitar o Harry Potter Studio Tour. A saga marcou a nossa geração e tanto eu como o somos entusiastas. Neste post vou contar-vos a nossa experiência e deixar algumas dicas futuras para quem procura visitar os estúdios.


O Harry Potter Studio Tour oferece-nos a visão dos bastidores da saga. Foi lá que, durante mais de dez anos, foram filmados os oito filmes. É curioso pensar que durante aquele tempo, os estúdios foram a casa dos atores e de toda a produção. Aqui podemos visitar os sets, os adereços, os fatos e muitas das peças que realmente apareceram no filme. Não são réplicas, são mesmo reais. Por isso mesmo you can see but you cannot touch.

Bilhete: preço e como comprar
A entrada custa £35 por pessoa. Eu sei, é um preço bastante caro. Mas para os aficionados vale mesmo muito a pena. Uma vez que as visitas são agendadas segundo dia e hora, os bilhetes não se vendem no estúdio, somente no site oficial ou em agências, devendo ser comprados com alguma antecedência. Eu preferi comprar alguns meses antes, por via do site oficial (aqui). Marcámos para o horário de manhã (11:30h) de modo a que pudéssemos ainda aproveitar algumas horas da tarde já em Londres.

Como chegar
O Harry Potter Studio Tour está situado em Watford, Hertfordshire. Nós fomos de metro para a estação de Euston e de lá apanhámos um comboio para Watford Junction – percurso de mais ou menos meia hora e com o preço de £10 por pessoa (ida e volta). Daí, finalmente apanhámos um vaivém particular do parque – acrescentem mais dez minutos ao percurso e mais quatro libras por pessoa (ida e volta também).

A experiência
A experiência começa quando ainda nem chegámos à primeira sala do percurso. O hall de entrada ostenta fotografias gigantes das principais caras da saga, o carro dos Weasley e o pequeno quarto de Harry na casa dos tios.
A visita começa numa sala semelhante a um cinema, com um ecrã gigante no qual vemos um pequeno filme que nos traz à memória todas as recordações dos filmes e que nos imerge completamente no espírito. No final da exibição, o ecrã sobe e revela-nos, inesperadamente, Hogwarts. Recordo-me perfeitamente que naquele momento até senti arrepios (totó, eu sei). Entramos então pela grande porta e estamos realmente no Great Hall, que parece bem maior no ecrã. É impressionante ver aquilo que julgamos tão distante nos filmes, ali, mesmo à nossa frente. Cada disposição, cada objeto, cada detalhe.


Passamos depois para várias salas gigantes com uma miscelânea de adereços, cenários, roupas, cabeleiras, máscaras de silicone… Todas as criaturas fantásticas e ambientes únicos que a J. K. Rowling uma vez sonhou estão ali em exibição. Passamos pela sala do Dumbledore com todos os seus livros, pela casa do Hagrid, pelo quarto dos rapazes na ala dos Gryffindor... Tudo o que possam imaginar. Aqui existem ainda várias experiências interativas em que o preço ronda as £12 (como uma sala com um green screen em que tiram fotografias como se participássemos num jogo de quidditch) mas não houve nenhuma que nos atraísse realmente.

Antes do último pavilhão a visitar, passamos por uma zona ao ar livre onde se vê a rua e a casa muggles mais conhecidas do mundo: o número 4 de Privet Drive. Logo ao pé encontra-se o Knight Bus, outro exemplar do carro dos Weasley, as peças de xadrez em tamanho real, entre outros. Nesta mesma área existem ainda duas barraquinhas que vendem refeições rápidas como sandes e cachorros e, à imagem dos nos filmes, a famosa cerveja de manteiga. Foi aí que almoçamos uns cachorros quentes saborosos (e caros, diga-se de passagem) e, como não podíamos deixar de experimentar, a famosa ButterBeer. Meu Deus, foi das piores coisas que já provámos. Demasiado doce e artificial. Acho que poucas são as pessoas que gostam. Tanto é que nesta parte exterior existem caixotes do lixo com um orifício específico para verter o líquido.
Se lá quiserem ir, aconselho-vos a que se façam acompanhar por uma merendinha e por uma garrafa de água. Sempre é uma boa forma de comerem melhor e de poupar algum dinheiro numa viagem que por si só já é muito dispendiosa.  

Passamos depois pela Diagon Alley, a minha parte preferida de toda a visita. Quem cresceu a ver o Harry Potter nutre o desejo lá ir e comprar a sua própria varinha e a Nimbus. Foi impressionante ver cada detalhe, como são os candeeiros, as portas, os letreiros, as montras…



Para terminar, há uma sala exclusivamente dedicada a um modelo colossal de Hogwarts, construído numa escala de 1:24, utilizado na realização das filmagens exteriores do edifício nos primeiros seis filmes. Este modelo enorme demorou seis meses a fazer e apresenta um detalhe incrível. Para sairmos do edifício do parque, como na grande generalidade das atrações turísticas, somos forçamos a passar pela loja de souvenirs. E deixem-me que vos diga minhas amigas, que perdição que é! As coisas são lindas mas o preço... Upa upa! O item mais barato é um chupa a £3.95 e o mais caro, a £495.95, é uma replica de qualidade premium do robe do Dumbledore. Eu acabei por comprar um cantil dos Gryffindor para manter o meu chá quentinho (£14) mas o que eu queria mesmo era esta sweater (£69.95).



No total da visita, demorámos entre três e quatro horas MUITO MUITO bem passadas. Os empregados são todos muito simpáticos e voluntariam-se para nos ajudarem a tirar fotografias. Para quem gosta dos filmes, acho que é um investimento muito bem feito. São memórias que nos ficam para sempre. Enquanto vos escrevo, a vontade de lá voltar só cresce.

OYSHO'S NEW COLLECTION | BODY TEMPTATION

| On
Estava eu a examinar o site da Oysho quando chego à área dos bodies… Fiquei de queixo caído. Não me podia ter apaixonado mais por este segmento da nova coleção. Está uma fusão genial entre lingerie e roupa quotidiana. Com umas calças skinny e um blazer ou um casaco com mais corte, o visual fica composto!


Sobretudo agora que tanto se usam calças justas de cintura mais subida, a tendência é vestirmos tops e camisolas por dentro das mesmas. No entanto, às vezes não me sinto muito cómoda quando a camisola não fica completamente justa ao corpo (e até pode parecer que ficamos com maior volume na área da barriga -.-‘). Neste contexto, os bodies são perfeitos! Pessoalmente, gosto muito de vesti-los no dia-a-dia porque me sinto muito confortável, mas também bonita porque ficam justinhos e dão enfase aos sítios certos do corpo. E estes dão Oysho são qualquer coisa… Deixo-vos os meus preferidos. O de veludo (#2), 29,99€, ficou-me debaixo de olho… 

#1 (aqui) | #2 (aqui) | #3 (aqui) | #4 (aqui) | #5 (aqui) | #6 (aqui)

Gostam da moda dos bodies? 

Beijinhos.

Custom Post Signature

Custom Post  Signature